domingo, 31 de janeiro de 2010

Novidade besta...

Na falta do que fazer:

http://www.formspring.me/MissRachell

P.s.
Rachel Marron é a personagem de Whitney Houston em "O Guarda Costas". Não me perguntem o motivo. Ou perguntem. Sei lá! =]

segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

Tarde demais para esquecer - filme clássico



Sinopse:

O filme mostra o romance entre um homem e uma mulher comprometidos que se conhecem durante um cruzeiro e ficam perdidademente apaixonados. Eles marcam um encontro daqui há seis meses no último andar do Empire State Building, em Nova Iorque, mas um acidente impede que o encontro aconteça.
**
**
Tarde Demais Para Esquecer – Fonte blog:
http://cinemacompimenta.blogspot.com/2009_09_01_archive.html
Já este aqui é uma das grandes histórias “de mulherzinha” da história do cinema. Um clássico com os astros Cary Grant e Deborah Kerr que serviu de inspiração para milhares de comédias românticas posteriores (a mais notável delas, “Sintonia de Amor”). Na realidade, trata-se de uma refilmagem de “Duas Vidas”, filme de 1939 dirigido pelo mesmo diretor, Leo McCarey, mas com muito mais charme na segunda oportunidade. Nickie Ferrante e Terry McKay, ele um playboy e ela uma ex-cantora, se encontram e se apaixonam em um cruzeiro. Entretanto, ambos estão noivos. Apesar disso, combinam um encontro no alto do Empire State Building para dali a 6 meses, tempo suficiente para terem certeza de seus sentimentos e acabarem com seus respectivos compromissos. Entretanto, um acidente coloca em risco o encontro e a felicidade do casal. Sofrido e choroso, mas sem jamais descambar para o pieguismo barato, esse é um daqueles filmes para se ver de preferência bem acompanhado (a). Mas mesmo sozinho vai funcionar. Seu romantismo assumido, pontuado pela memorável canção indicada ao Oscar “A Love Affair To Remember”, é muito bem vindo nestes tempos cínicos em que vivemos. Como demérito, apenas alguns números musicais com crianças bonitinhas, mas que ficam bem deslocados na trama, fazendo perder o ritmo do romance. Meninas, preparem os lenços...
Nota: 9,5.
-
**
****
Gente!!! Terminei o filme em estado de extase! Que filme bom! Que filme lindo! Que final maravilhoso! Amei, amei, amei e amei mesmo!!!
Olha, eu nunca dou cinco estrelas para os filmes, mas para esse eu dou!
Um dos meus romances favoritos a partir de agora!

Como registrar seus livros

Hoje finalmente eu fiz algo que há tempos pretendia fazer e que sempre adiava, seja por preguiça ou falta de tempo: mandei registrar minhas histórias! Daqui a pouco quatro dos meus romances estarão num avião rumo ao Rio de Janeiro!
*
Os escolhidos foram: Fantasia, Doze Verões, Bel e Bernardo e Como superar um amor em três listas. Os três primeiros por serem os primeiros e o último porque eu tenho um carinho especial por ele.
*
Passo a passo, como registrar um livro. Vou dizer como eu fiz:
- Mande imprimir suas obras com os números de páginas nas folhas. O melhor é encadernar, como eu fiz.
Parte trabalhosa: rubricar todas as páginas.

- No site da biblioteca central (http://www.bn.br/) você deve imprimir um formulário para cada obra. http://www.bn.br/portal/?nu_pagina=28 e preenchê-lo com letra de forma.

- Depois, nesse mesmo site deve emitir um boleto de pagamento, o GRU, no valor de 20 reais por obra. Não é muito caro, mas no meu caso eram 4 romances. O problema é que o código de barras do boleto não tem número, então você é obrigado a ir até uma agência bancaria, o que eu que pago tudo pela internet achei um saco. Mas pelo menos deu para pagar num caixa automático.

- Por último, com os xerox dos livros (uma cópia para os livros não publicados e duas para os publicados), documentos preenchidos, GRU pago, xerox da identidade e CPF e comprovante de residência em mãos, você deve mandar tudo a Biblioteca Centra do Rio de Janeiro por Sedex. Para mim o valor foi de 51,90 reais.

****
Então... depois de bater pernas (tirei uma manhã de folga para isso), andando por xerox, banco e correio, de suar feito uma condenada (odeio calor!), deu tudo certo! Ufa!!! Agora vou colocar esses livros no site Mesa do Editor, e torcer para que alguma editora leia e se interesse por elas! Torçam por mim!


terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Adoro...


Adooooro....

cheiro de chuva, barulho de chuva, beijo na chuva;
tomar banho frio no calor de Teresina;
beijo roubado;
homem cheiroso;
abraço apertado de irmão mais novo;
bilhetes, cartas e declarações de amor [de amores e amigos];
surpresas;
flores;
poder confiar nas pessoas;
homem que sabe se vestir;
pessoas que falam português corretamente;
simples toques que te arrepiam da cabeça aos pés;
beijo no pescoço;
"xêro";
sorrisos sinceros;
olhares cúmplices;
chorar de saudade ao ver fotos antigas;
brindar à vida;
uma garrafa de um bom vinho;
"tangiroska";
ser tirada pra dançar;
ser tirada pra dançar por quem não sabe dar dois pra lá e dois pra cá, mas está doooido pra ficar perto de você;
ligações de madrugada só pra dizer que alguém está pensando em você;
ligações de boa noite antes de dormir;
climinha de paquera;
namoro escondido;
primeiro beijo;
primeira noite;
primeiro eu te amo;
livros que te fazem pensar na vida;
livros que te fazem esquecer da vida;
livros que te fazem sorrir;
livros que te fazem chorar;
livros;
receber emails de amigos de longe;
fazer análise;
comprar;
escrever;
bolo de chocolate com recheio de castanha crocante e leite condensado;
ter alguém pra ligar quando se está triste, alegre ou quando simplesmente quer falar bobagens;
bebês;
homens que querem casar, mas não estão desesperados pra isso;
sorvete Choc chip;
andar de mãos dadas;
agarrões no cinema;
agarrões no sofá;
agarrões em qualquer lugar;
ver filmes;
me sentir o amor da vida de alguém... E muito, muuuuito mais.


Imagem: http://serenaflor1964.blogspot.com/

Não acredito em...

Não acredito...

que faz mal passar debaixo de escada ou cruzar com gato preto;
em sapos que viram príncipes;
primeiro e único amor;
mãe e pai que dizem amar todos os filhos da mesma forma;
final feliz;
políticos;
cabeleleiros;
advogados;
vendedores;
homens que juram que vão mudar;
mulheres que se dizem bonitas quando acordam;
que não é bom deixar roupa avessada ou chinelo de cabeça pra baixo;
que dinheiro não traz felicidade;
pedidos de casamento feitos durante seu primeiro porre;
que o amor supera tudo;
entre outras coisitas más...

Briga com as panelas cena 2

O post abaixo da Indira brigando com uma panela de pressão, me lembrou da seguinte cena do filme Julie & Julia:

video

:D

Eu e minhas receitas!

Minha primeira experiência com uma Panela de pressão não foi bem sucedida. Fiquei com tanto medo de mandar a cozinha pelos ares que por pouco não coloquei uma armadura. Tava toda dura, tensa... E acabou que esvaziei a panela assim que ela começou a chiar e a carne continua crua. =/

Mas não se preocupem, tive uma idéia brilhante!
Vou googlar "como usar uma panela de pressão", colocar meus óculos, um batonzinho e mudar de roupa. Daí chego na cozinha com cara de quem sabe tudo e ela nem vai desconfiar que eu era a medrosa de poucos minutos atrás!

Autoconfiança é tuudo!

Me desejem sorte!

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Fita Senhor do Bonfim arrebentou hoje!

São tão bonitinhas quando a gente coloca, mas depois... A minha estava um trapinho... fininha, fininha.
E agora? O último pedido vai ou não vai se realizar?
Ainda me resta a fitinha amarela. Pequeno trapinho agora solitário sem a verde que se foi.
***
A última vez que coloquei uma dessas eu tinha entre 14 a 16 anos, não sei direito. Mas foi assim... Eu tinha uma festa chique (baile de debutante, mas não meu, eu nunca gostei dessas coisas), num clube aqui perto de casa. Como sempre - o mesmo ocorreu agora - minha mãe implicou com a fita. Ela queria porque queria pegar uma tesoura e dar um fim no meu trapinho. Eu quase deixei... Quase. Porque daí eu lembrei do último pedido...
*
Menina de 15 anos... O que quer da vida? O que tem na cabeça? Meninos, é claro. Pelo menos era o que eu tinha. E adivinhem o que faltava dos três pedido? Ficar com um carinha que casualmente estaria na festa! Então, acham que eu ia arriscar? Nãnãninãnão! Claro que não!
*
Lá fui eu, bem bela, de vestido longo de gala, cabelo arrumado e trapinho no braço. E valeu a pena! Eu nunca esqueci, nunquinha! Dei vários beijos no menino na festa. Eu juro, não estou mentindo, mas sei que parece mentira o que contarei em seguida.
*
Anos depois, esse mesmo menino (não mais menino, agora adulto) me quis de novo, mas ficou feio o coitadinho depois que cresceu. Na época a fitinha valeu a pena, mas hoje... Sem comentários.
*
Então... Dia seguinte ao da festa... O tipo de coisa que só acontece comigo... Eu caminhando bem bela no meu bairro... O mesmo local onde moro até hoje. Onde tinha o clube. Indo até a antiga casa da minha avó, eis que a fitinha após ter comprido gloriosamente o seu papel, arrebentou e caiu no meio da rua!!! Auauauauauauau! E não é mentira!
*
Então? Eu posso ou não posso ficar esperançosa e acreditar que o que eu quero vai acontecer?
*
Obs: Não se iludam, esse é o tipo de coisa que só acontece comigo... Tal como a misteriosa aparição da minha gata no muro da casa dos meus pais no sabádo, quando na sexta finalmente o Fred aceitou ter um gato.

Jane joga e ganha - Rachel Gibson



Sinopse:

Um tanto desiludida, bastante teimosa e cansada de ir a entrevistas às cegas com homens pouco interessantes, Jane Alcott parece levar a típica existência de mulher solteira em uma grande cidade. Entretanto, tem uma dupla vida. Durante o dia é jornalista esportiva, encarregada de seguir a uma equipe de hóquei, e especialmente a seu goleiro, Luc Martineau. Durante a noite é escritora, a criadora secreta das escandalosas aventuras de uma série da qual todos falam.
Luc tem clara sua opinião a respeito desses parasitas chamados jornalistas; incluindo Jane. Quão último precisa é uma repórter entremetida que escava seu passado e se interpõe em seu caminho. Mas quando a diminuta jornalista se desfaz de suas roupas cinzas e negras que costuma a luzir as trocando por um atrativo vestido vermelho. Luc comprova que Jane esconde muito mais do que deixa ver.
Talvez tenha chegado o momento arriscar-se e jogar a um jogo diferente....
***
Já disse e repito: sou super fã da Rachel Gibson! Os livros dela são tão bons, modernos e sensuais! E as cenas de sexo são diferentes e criativas. Ah.... a tatuagem do Luc - :D Que invejinha da Jane. - :D
A versão que eu li em e-book não tava lá essas coisas, e português ruim ninguém merece, além de que trava a leitura.
Daqui a pouco vou procurar se eu acho um versão melhor para colocar o link aqui.
Adorei! Ainda acho "Sem clima para o amor" melhor, mas esse é bom também.
**
Não achei link melhor, então vai esse mesmo:

Ladrão de Casaca - filme clássico








Ladrão de Casaca (en: To Catch a Thief) é um filme estadunidense de 1955, do gênero suspense, dirgido por Alfred Hitchcock.

O bon-vivant e ex-ladrão de jóias John Robie, conhecido como "Gato", é o principal suspeito de uma onda de roubos de jóias na Riviera Francesa. Para não voltar para a cadeia, já que alguém deseja culpá-lo pelos crimes, ele parte atrás do verdadeiro culpado. Quando conhece a bela Frances Stevens, ele decide utilizá-la como isca para prender o verdadeiro ladrão.

Com Cary Grant e Grace Kelly
****
Primeiro: nunca tinha visto um filme com a Grace Kelly, e ela era linda demais! Obs: ela morreu com apenas 52 anos em um acidente de carro, em 1982.
Gostei bastante da personagem dela, ela é ousada e vai atrás do que quer.
Segundo: o Cary Grant tinha quase 60 anos nesse filme e ainda tava muitoooo gato (gato e gostoso)! Inclusive na cena da praia, onde ele aparece de bermudão, ele está bem em forma. Falando em praia... as roupas de banho das mulheres eram tão bonitas e elegantes nessa época.
Terceiro: eu li que esse era o filme mais romântico do Hitchcock, deve ser por isso que eu gostei tanto. - :D
Quarto: estou cada vez mais encantada pelos clássicos, acho que não se fazem mais filmes como antigamente.
Quinto: estou totalmente apaixonada pelo Cary Grant!!! Quero ver vários filmes dele.
Adorei esse filme!

Como Roubar um milhão de doláres








Sinopse:
A jovem e rica parisiense Nicole está preocupada com seu pai Charles, que possui um passatempo deveras comprometedor: ele se diverte criando obras que imitam o estilo de artistas famosos. E as assina como se fossem deles, tornando-se um renomado "colecionador". Nicole recebeu a notícia de que uma falsificação de seu pai, uma escultura de Vênus atribuída ao famoso artista Cellini, vai ser a peça principal de uma exibição do museu da cidade. Nicole teme que com a exposição pública, a fraude seja descoberta e que seu pai vá para a prisão.

Quando à noite Nicole surpreende um homem dentro de sua casa, que ela toma por um ladrão, percebe que esta é a grande chance que esperava para salvar o seu pai. Ela convence o ladrão a roubar a estátua do museu. Intento que não será fácil, dada a sofisticada parafernália eletrônica que protege a exposição. Mas Simon, o homem invasor, se interessa pela garota e resolve ajudá-la. Simon se mostrará um mestre na "arte" do roubo. E cria um elaborado e magnífico plano para roubar a escultura.
****
Ah!!! Achei esse filme tão fofooooo! Adorei, adorei mesmo!!! O engraçado é que esse filme não é tão comentado, nem tão famoso como os outros da Audrey Hepburn, mas é um dos meus preferidos! É que o personagem é tão querido, tão maravilhoso e fofinho! História linda!
Bom... Como sou uma romântica incurável, só posso dizer que realmente adorei. Tudo: o enredo, a parte emocionante e perigosa, mas principalmente adorei o que ele faz por ela.
Eu recomendo!

Se beber, não case.




Se Beber, Não Case (The Hangover)
Elenco: Bradley Cooper, Ed Helms, Zach Galifianakis, Heather Graham, Justin Bartha, Sasha Barrese, Rachael Harris.

Direção: Todd Phillips
Gênero: Comédia
Duração: 100 min.
Distribuidora: Warner Bros.
Estreia: 21 de Agosto de 2009
Sinopse:
Em 'Se Beber, Não Case', três amigos vão para Las Vegas curtir uma festa de despedida de solteiro, mas perdem o noivo a apenas 40 horas do início da cerimônia. Na manhã seguinte, todos estão de ressaca e ninguém se lembra do que aconteceu na noite anterior. Para encontrar o noivo desaparecido, os três amigos terão reconstituir os passos da noite anterior e descobrir em que momento as coisas começaram a desandar...

Curiosidades:
» É a maior bilheteria da história em comédias para maiores de 18 anos nos EUA, um sucesso de público.
****
Confesso que eu fui assistir a esse filme com receio, porque ele me parecia uma daquelas comédias idiotas, mas não é. Foi uma surpresa: o filme é muito bom mesmo!!! Garantia de diversão e de boas gargalhadas!!! E o dentista.... kkkkkkkk - Sem comentários o que ele fez! Aliás, nesse filme tem cada coisa! - :D
Altamente recomendável!

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Rosamunde Pilcher - a escritora preferida da minha mãe


Entre o natal e o ano novo, eu fui numa livraria e vi um livro pequeninho para vender, desses mais baratinhos. Era da escritora preferida da minha mãe, então eu comprei para dar para ela, e é lógico que eu li antes. Achei bem bom, e já peguei vários livrinhos dessa autora emprestado com a minha mãe.

São livrinhos leve, gostosos e faceis de ler. Nessa semana eu trabalhei tanto que fiquei esgotada, então queria uma leitura que me distraisse, mas não exigisse tanto do meu cérebro.

Ai embaixo vou falar dos três romances dela que eu andei lendo por esses dias.
***
Rosamunde Pilcher:
A escritora Rosamunde Pilcher nasceu em 1924 na Cornualha, Inglaterra. Aos 25 anos publicou seu primeiro livro usando o pseudônimo de Jane Fraser. Somente em 1955, Pilcher passou a assinar seus livros com o nome verdadeiro e, aos 63 anos, tornou-se reconhecida mundialmente com a publicação do best seller Os catadores de conchas. Talentosa romancista e contista, suas histórias costumam tratar das complexas relações familiares, sempre ambientadas nas mais belas paisagens da Grã-Bretanha. A escritora tem livros publicados em mais de trinta países.

O Dia de Tempestade
Sinopse:


O dia da tempestade é um romance de personagens protagonizado por Rebecca Bayliss, jovem londrina que vive longe da mãe e nunca soube do paradeiro do pai, um talentoso pintor e ex-oficial da Marinha. Buscando aproximar-se do passado, Rebecca parte para Boscarva, na península britânica da Cornualha, onde conhece pessoas ambíguas que se revelam aos poucos. Grenville Bayliss, seu avô irritadiço e teimoso; Joss Gardner, o carpinteiro habilidoso por quem Rebecca nutre sentimentos conflitantes; Andrea, uma jovem instável apaixonada por Joss; Eliot, seu primo ambicioso, envolvido em negócios escusos; e Pettifer, o criado leal a Greenville Bayliss.A cada página vão surgindo novos e inesperados personagens, habilmente construídos com a criatividade humana e literária de Rosamunde Pilcher.

Foi o primeiro dos três que eu li, achei bem fofo. Joss é maravilhoso, mesmo quando ela não gosta dele, a gente gosta. - :) E adorei a viagem que ela faz em busca de sua família. O relacionamento que ela construi com o avó é fofo.

Link para download:
http://www.4shared.com/get/112447842/ef1c8c1b/O_dia_da_tempestade_-_Rosamund.html
Eu recomendo.



Às vésperas de seu casamento, Caroline Cliburn viaja para a Escócia com o irmão caçula Jody para investigar o desaparecimento do irmão mais velho, que não vê há anos, e repensar seus sentimentos; afinal, vai se unir a um homem que sua madrasta julgou adequado para ela. No entanto, um acidente e uma nevasca inesperada para o mês de abril deixam-nos isolados, obrigando-os a procurar abrigo numa casa próxima, propriedade de Oliver Cairney, próspero executivo londrino. A atração entre os dois é recíproca.
Uma vizinha, porém, frustra as expectativas de Caroline, alertando que ele é noivo. Sem avisar, ela e Jody deixam a residência sem dizer adeus ou obrigado. Mas o destino fará com que se reencontrem. Ambos estão prestes a cometer erros terríveis, e talvez esse encontro consiga salvar e libertar um ao outro.
Um Encontro Inesperado é o ponto de partida para os leitores que apreciam a prosa de Pilcher. Nesta obra, escrita em 1972 e inédita no Brasil, já se percebe por que Rosamunde iria se tornar uma das melhores e mais amadas contadoras de história da Escócia e do mundo. Um Encontro Inesperado vai apaixonar os amantes de um belo romance de amor.

Esse eu li ontem a noite e por causa dele fui dormir tarde, e agora estou com sono. - :D Não consegui mais largar!

O Oliver é maravilhoso, mesmo quando ele manda ela calar a boca. Adoro homens mandões! Mas ele não é nada grosseiro, pelo contrário: ela merecia ser xingada.

Acho fofo livros com crianças, e por isso gostei muito da relação que o Oliver construiu com o Jody.

Abaixo, farei um comentário dos três livros juntos.


Link para donwload:
http://www.4shared.com/file/1433996/746b8648/rosamunde_pilcher_-_um_encontr.html?s=1


Em A Casa Vazia, Rosamunde Pilcher nos brinda com uma história fantástica da perda de um amor.
Virgínia Keile teve a decepcionante experiência de um casamento com um homem esnobe e rico, totalmente controlado pela mãe, uma mulher dominadora... Ela vivera os anos de seu casamento reclusa em uma mansão na Escócia. Quando o marido morreu num acidente de carro, Virgínia permitiu que a avó paterna e uma babá educassem seus filhos.
Entretanto, a mais significativa experiência de sua vida estaria por começar, quando retorna à pequena cidade de sua juventude e decide passar um mês na casa de uma amiga para amenizar as lembranças de seu passado doloroso. Felicidade, alegria de viver, liberdade e coragem estão presentes em seu dia-a-dia como sensações há muito esquecidas. Disposta a enfrentar com coragem a sogra e a babá para trazer os filhos para junto de si, ela vai contar com o apoio de um amigo da juventude, que lhe estenderá a mão e abrirá o coração para auxiliá-la em sua nova etapa de vida.

Talvez dos três, o Eustaque tenha sido o meu protagonista homem preferido. Primeiro pela relação que ele facilmente assumiu com os dois filhos da Virginias: eles se deram bem de imediato. Ele é fofo demais, e eu adoro homens que sabem lidar e que gostam de crianças Depois, pela história que eles tiveram no passado. Achei bem bonito isso. Um amor que nunca aconteceu, mas que nunca foi esquecido.

Livro bem bom também, eu recomendo.

Foi a única versão que eu achei, mas vi que a formatação não está muito boa.
Link para download
http://www.4shared.com/file/17542180/9ea8a3a2/rosamunde_pilcher_-_a_casa_vaz.html?s=1

*********************

Comentário geral:

Nos três livros, as personagens são novas. Talvez pelo fato da Rosamunde Pilcher ser mais velha, já ter 9 netos, ele retrate outra geração. Suas personagens, pelo menos nesses livros, casam cedo, sem mal conhecerem seu conjuges. Fiquei com a sensação que sexo só ocorre pós casamento, embora ela não toque no assunto. Nos finais dos três, rola no máximo beijos na boca e as personagens parecem privilegiadas por terem conhecido o amor. Porque duas delas aceitam um casamento sem amor apenas pela comodidade. Talvez fosse assim antigamente, talvez isso continue ocorrendo, embora hoje em dias as mulheres sejam mais idependentes e tenham mais liberdade de escolha.

Enfim, os três livros são bons e gostosos. Mas não esperem cenas delirantes de amor. Não tem sexo! Mas acho que vale a pena, por isso eu recomendo.

quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

Onde ler nossas histórias

Nossos Rabiscos
http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=96829533

Tânia
Histórias sendo postadas:

_ Fantasia - http://www.orkut.com.br/Main#CommMsgs?cmm=96829533&tid=5413454467247275019&start=1

- O Mundo de Jack-e - http://www.orkut.com.br/Main#CommMsgs?cmm=96829533&tid=5423168807097498635

- Tempo de Ser Feliz http://www.orkut.com.br/Main#CommMsgs?cmm=96829533&tid=5423904577944976395

Indira:
História sendo postada:

- Novo Horizonte - http://www.orkut.com.br/Main#CommMsgs?cmm=96829533&tid=5413893151007857335&start=1

Concluída:
- Confissões de Heloísa
http://www.orkut.com.br/Main#CommMsgs?cmm=96829533&tid=5413298766188796599

**********************
Oficina Romantica
http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=91724405

Tânia:
Como superar um amor em três listas http://www.orkut.com.br/Main#CommMsgs?cmm=91724405&tid=5400899195509308427

********************
Orgulho e Preconceito Fanfics:
http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=21021529

Tânia - primeiras histórias escritas por Tânia (onde tudo começou)

O homem Certo
http://www.orkut.com.br/Main#CommMsgs?cmm=21021529&tid=5298433155706289163&kw=O+homem+certo

A Garota do Metrô
http://www.orkut.com.br/Main#CommMsgs.aspx?cmm=21021529&tid=5260372547098541067&start=1

Um Certo Orgulho e Preconceito
http://www.orkut.com.br/Main#CommMsgs.aspx?cmm=21021529&tid=5200145517786856459

*******************************************************************
Blog:
http://www.janeaustenfanfics.com.br/


Indira:
*A estória de um noivado - http://www.janeaustenfanfics.com.br/index.php/indira/75-qa-historia-de-um-noivadoq/123-a-estoria-de-um-noivado-capitulo-unico.html


*Um Presente de Natal-http://www.janeaustenfanfics.com.br/index.php/indira/77-um-presente-de-natal/125-um-presente-de-natal.html


*E se...? -
http://www.janeaustenfanfics.com.br/index.php/indira/102-e-se/287-e-se.html


Outra Vez - Capítulo I - http://www.janeaustenfanfics.com.br/index.php/indira/82-outra-vez/300-outra-vez-capitulo-i.html

quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

Não tenho lido nada!

Desde que eu voltei das minhas mini-férias, só trabalho, trabalho e trabalho. E nas horas vagas eu escrevo. O mundo de Jack-e já está no capítulo7.

Só para avisar que eu não abandonei o blog. Ele anda parado, mas eu continuo em movimento.

Sou de Lua, tenho fases. E na minha fase escritora quase não leio.

Nupcias de Escândalo - 1940







The Philadelphia Story (br: Núpcias de escândalo / pt: Casamento escandaloso) é um filme estadunidense de 1940, do gênero comédia romântica, dirigido por George Cukor e produzido por Joseph L. Mankiewicz. O roteiro, escrito por Donald Ogden Stewart e por Waldo Salt (não creditado), foi baseado em peça de teatro de Philip Barry.

Foi refilmado em 1956 como musical, sob o título de High Society.

Sinopse:
Dois anos depois de se divorciar do primeiro marido, a socialite Tracy Lord está prestes a contrair matrimônio com George Kittredge, um aspirante a político. Porém, dias antes da celebração, a família é surpreendida pela chegada de Mike Connor, um escritor metido a repórter; Elizabeth Imbrie, uma pintora metida a fotógrafa; e Dexter Haven, o ex-marido, que se instalam como hóspedes na casa graças a uma chantagem envolvendo o pai da noiva. A dupla do jornal deve escrever a história do casamento de Tracy, e ela e sua família decidem colaborar com a farsa para não ver o nome do patriarca da família ser manchado em público. Mas a presença tanto do ex-marido quanto do escritor farão com que Tracy repense sua decisão até o fatídico momento do "sim".

Com Cary Grant, Katherine Hepburn e James Stewart.

***
Confesso que achei o início do filme meio chatinho, e que para mim ele só empalcou na segunda hora. E que por mais bonito que o James Stewart fosse, ele não me chamou atenção, e eu só pensava: tomara que ela fiquei com o Dexter! (Cary Grant) Ah.... e o final foi tão fofo, que me deixou com uma sensação muito boa.

Quero mais! Quero mais Cary Grant!!!

Apaixonada por Cary Grant!



Sei que é um amor meio tardio, já que o meu amor morreu em 1986, mas ele não era lindo? Lindo e fofo demais! Vi o meu primeiro filme com ele ontem, e já fiz uma lista de filmes que eu quero comprar.
Bom... Meu amor pelos clássicos surgiu assim:
- Primeiro, escrevi uma história em que a minha protagonista (a Luiza de "Como superar um amor em três listas) adorava filmes clássicos e eu resolvi assistir alguns filmes (os mais tradicionais: Dr. Jivago, Casablanca e E o Vento Levou) para poder compor a personagem.
- Então comprei um box com filmes com a Audrey Hepburb e a meu amor cresceu.
- Depois li o livro O Amor Chegou (que está citado no blog entre as dicas de livros), cuja personagem Cornelia era super fã do Cary Grant. E ela citou tantos filmes que eu fiz uma listinha dos que me interessaram. Sua principal referência era o filme Núpcias de Escandalo, que eu vi ontem.


***
Fiquei frustrada! Fiz uma lista, como já disse, e não encontrava os filmes para vender em local nenhum! Pesquisei em vários sites e acabei escolhendo três nas Lojas Americanas que chegaram ontem. Filmes clássicos são raros e caros! Que raiva! Mas então ontem eu achei um blog que vende os filmes que eu quero e já vi uma lista com 11 títulos, sendo vários com o Cary Grant. Aeeeê! Fiquei tão feliz!
**
Blog:
http://copiasdefilmesraros.blogspot.com/
***
Minhas prováveis próximas compras:
1946 – Interlúdio (com Cary Grant e Ingrid Bergman)

1959 - Intriga Internacional (com Cary Grant)

1939 – Paraíso Infernal (com Cary Grant)

1951 – Dizem que é Pecado (com Cary Grant e Jeanne Crain)

1937 – O Cupido é Moleque Teimoso (com Cary Grant)

1957 – Tarde Demais Para Esquecer (com Cary Grant e Deborah Kerr)

1957 – Orgulho e Paixão (com Cary Grant, Frank Sinatra e Sophia Loren)

1957 – Amor Na Tarde (com Gary Cooper e Audrey Hepburn)

1960 - O Passado não Perdoa - (com Burt Lancaster e Audrey Hepburn)

****
Sobre o Cary Grant: fiquei tão triste quando eu li a história dele. Há rumores que ele era homossexual, e como isso naquela época não era visto com bons olhos, ele foi obrigado pela indústria cinematográfica a se casar. Coitadinho, imagina que situação! Ele não podia, se for verdade, viver com o amor da vida dele...
***

Cary Grant, nome artístico de Archibald Alexander Leach, (Bristol, 18 de janeiro de 1904 — Davenport, 29 de novembro de 1986) foi um ator estadunidense nascido na Inglaterra.

Biografia
Quando criança, Archibald costumava ser vestido como uma menina pela mãe, o que acabaria lhe causando dúvidas quanto à sua sexualidade.[1] Aos seis anos, o pai o levou para assistir a um espetáculo de pantomima e ele adorou. O produtor, Robert Lomas, precisava de mais uma criança e o pai assinou uma guarda provisória, entregando-lhe o menino. Assim, Archie foi em companhia de Lomas para Berlim, na Alemanha. A trupe foi vista pelo empresário americano Jesse Lasky, que os convidou para se apresentarem em Nova Iorque. Aos sete anos, o menino se viu a bordo do Lusitânia, com destino à Broadway.

Acabada a temporada, Archie retornou à Bristol, na Inglaterra, e aos estudos. Aos nove anos, ele passou a viver apenas com o pai pois, certo dia, ao chegar da escola, soube que sua mãe teria ido passar uma temporada no litoral. Na realidade, ela havia sido internada numa instituição para doentes mentais.

Aos treze Archie deixou a escola e, forjando a assinatura do pai, conseguiu entrar para a trupe do comediante Bob Pender. Por dois anos apresentou-se em diversas cidades da Inglaterra até que, em julho de 1920, aos dezesseis anos, foi uma das oito pessoas escolhidas por Pender para uma bem-sucedida turnê de dois anos pelos Estados Unidos, ao fim da qual decidiu não retornar à Inglaterra.

Trabalhou então como lanterninha de cinema, vendeu gravatas e fez espetáculos mambembes de variedades. Ao se mudar para Hollywood, sua bela aparência chamou a atenção de Ben Schulberg, da Paramount. Seu nome, porém, era um obstáculo; era urgente mudá-lo, e foi assim que nasceu "Cary Grant".

A estréia na carreira artística veio em 1932, no obscuro musical Esposa Improvisada, mas a primeira grande oportunidade chegaria com o diretor Josef von Stenberg, que o escolheu para fazer par com Marlene Dietrich em Vênus Loira. Em seguida, atuou em cerca de vinte filmes até chegar ao estrelato em 1935, com o filme Vivendo em Dúvida (Sylvia Scarlett), ao lado de Katharine Hepburn.

Em 1933, durante um almoço no estúdio, ele conheceu o ator Randolph Scott, o qual, segundo se sabia, era amante do milionário Howard Hughes. Acredita-se que atração entre eles foi imediata e recíproca, e os dois passaram a ter uma relação homossexual e Scott até se mudou para o apartamento de Grant. Muitos produtores chegaram a ameaçá-los de não lhes oferecerem trabalho se não passassem a morar em casas separadas. Assim, face às pressões impostas pela sociedade, Grant nunca chegou a assumir publicamente este que teria sido o grande amor secreto de sua vida.

Em fevereiro de 1934, os executivos da Paramount basicamente o forçaram a se casar com a atriz Virginia Cherrill, mas o falso casamento apenas chamou mais a atenção do casal pois, alguns meses depois, Cary Grant tentou o suicídio, ingerindo pílulas para dormir. Em março de 1935, ele se divorciou e voltou a morar com Randolph Scott. Em 1941, durante a Segunda Guerra Mundial, tornou-se cidadão estadunidense e, em 8 de julho de 1942, casou-se com a milionária Barbara Hutton, de quem se divorciou três anos mais tarde.

A fama internacional ele a conquistou em 1946, quando atuou ao lado de Ingrid Bergman no filme de Alfred Hitchcock, Interlúdio (Notorious), fama consolidada em 1957 com Tarde Demais para Esquecer. Nesse ano, quando se achava casado com a atriz Betsy Drake, apaixonou-se perdidamente por Sophia Loren, mas esta não o quis por já se achar seriamente envolvida com o produtor italiano Carlo Ponti. Em seguida, casou-se a atriz Dyan Cannon, sua quarta esposa, da qual se divorciou em 1976. Teve com ela uma filha, Jennifer Grant. Em 15 de abril de 1981, Cary casou-se pela última vez, com a atriz Barbara Harris.

É mais conhecido por suas parcerias com grandes diretores, como Alfred Hitchcock e Howard Hawks, e pela elegância que sempre demonstrou nas telas. Foi nele em que o escritor inglês Ian Fleming se baseou para criar o personagem 007. O convite lhe foi feito mas foi recusado e aceito por Sean Connery[carece de fontes?].

O ator encerrou sua carreira no cinema em 1966 com o filme Walk, Don't Run, pois segundo ele, estava velho para interpretar papéis principais e os seus fãs não aceitariam vê-lo como coadjuvante.

Cary Grant quase morreu no palco. Teve uma hemorragia cerebral fulminante ao sair do Teatro Adler, em Davenport, Iowa, onde ensaiava o espetáculo Uma conversa com Cary, aos 82 anos. Seu corpo foi levado para Los Angeles onde, conforme sua vontade, foi cremado sem qualquer cerimônia fúnebre.

Grant avisou a esposa sobre as coisas horríveis que diriam sobre ele depois de morto. "Os mortos não podem se defender", escreveu. "Mesmo que os mais íntimos os defendam das invencionices, o estrago permanece. Sempre disse à minha mulher e à minha filha para esperarem o pior sobre mim". Ele não avisara em vão e sabia sobre o que falariam. Para sua sorte, no cinema o que conta é o que aparece na tela. E nesta ele será sempre o galã irrepreensível de Grace Kelly e Audrey Hepburn.
***
Fui procurar a altura do Cary Grant no google: 1,87m!!!
Eu sabia!!! Ele só podia ser: moreno, alto, bonito e sensual!!!

DEZ!!!!!

Eu sabia que eu não era filha de uma puta!!

Passeeeeeeeeeeeiiiii!!
E com DEZ na monografia!!!!!!


Morrendo de felicidade aqui!!!
=]

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Divagações pós-cachaça.

Hoje me veio uma coisa à cabeça:

Se no seu enterro os seus filhos não estão presentes, pode apostar que não terá ninguém que valha a pena.

[relevem algum erro porque eu estou levemente embriagada e meus dedos já não me obedecem como eu gostaria]

Pode parecer uma frase boba e sem sentido, mas É VERDADE.

Ponto.

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Em clima de férias!

Estou totalmente sem saco para trabalhar! Quem dera fosse eu nessa foto. Ainda bem que hoje tenho aula e saio cedo do consultório, mas amanhã vou até as 20 horas! Ninguém merece!

segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

Minha história nova - O Mundo de Jack-e

Vou postar aqui meus dois primeiros capítulos. Se alguém ler e gostar, me deixe um comentário, por favor. Eu ando totalmente desistimulada para escrever. Começo várias histórias e paro.

**************

O título provisório eu acabei de inventar (risos!) Juro, inventei agora mesmo, na hora de postar aqui.
X

**********
Capítulo 1

Aqui estou eu, de joelhos, esfregando o chão depois de arrancar o carpete mofado. Não tenho dinheiro para comprar um novo piso no momento. Dispenso o carpete velho, porque junta mofo e acaro e eu tenho alergia, e sempre sonhei com aqueles pisos flutuantes do tipo Durafloor. Só que cá entre nós, eu estou no meu apartamento! Meu, todinho meu, só meu! Ele já está quitado, então quem liga para o piso?
A companhia de mudanças deverá trazer meus móveis amanhã a tarde, então hoje eu estou aproveitando para dar os últimos retoques. A parede da sala antes cinza de tão encardida, já foi devidamente lavada e limpa por mim e agora eu sinto um cheiro delicioso de tinta azul bebê na parede. Sim, eu realmente acho cheiro de tinta uma delícia. Ainda mais porque é a tinta da parede da MINHA sala. Nunca tive uma sala só minha.
O apartamento é bem pequeno: sala e cozinha numa peça só e quarto e banheiro. A cozinha é minúscula. Mal cabe um fogão, uma geladeira e um armário. A mesa ficará na sala, quase em cima do sofá. Pelo menos eu imagino que ficará assim, porque todos os meus móveis tiveram que ser devidamente medidos antes de selecionados. Não pude trazer todos os móveis da minha mãe. Mãe...
Largo o pano dentro do balde. Suspiro. Que saudades... Mas sei que foi melhor assim...
Preciso me animar. Amanhã chegará a mudança. Começo num trabalho novo. E depois, tem o meu pai. Pai... Novo suspiro. Que medo.
Pego meu celular e o abro. Nenhuma chamada. Quase ninguém tem esse número, até porque eu me afastei de todo mundo há 2 anos. Não foi culpa minha, eu realmente não tinha o que fazer. Meus únicos contatos sociais eram a minha mãe, as enfermeiras e médicos e o Leo.
Bom, eu podia ligar para o Leo. Mas não é justo fazer isso com ele. Ligar só porque eu me sinto sozinha não seria legal.
Continuo a esfregar o chão. Se ao menos eu tivesse trazido um radio, não estaria tão silencioso.
Meia hora depois, o piso está limpo e seco e eu começo a pintá-lo. Sim, com tinta mesmo. É mais barato e eu colocarei um tapete em cima para disfarçar. A tinta que eu escolhi é cinza escuro, como a cor de chão.
Prendo meus cabelos mais uma vez no alto da cabeça, quando eles ameaçam a se soltar. Só que é tarde. Vejo mais um fio marrom encaracolado com a ponta suja. Devo estar parecendo um gatinho malhado.
Com o chão pintado – foi rápido, o apartamento é mesmo pequeno – eu levanto e mentalizo a disposição dos móveis. O quadro da minha mãe acima do sofá marrom. A colcha rosa estendida e bem alinhada sobre a cama. Suspiro. Com passos vagarosos, meus joelhos estão definitivamente esgotados, eu me arrasto até o banheiro.
Franzo o rosto numa careta. Esses azulejos devem ser do século passado, que coisa mais démodé! Mesmo com tudo cheiroso e limpinho, tenho que admitir: meu banheiro é horroroso! Mesmo assim, me esforço para ignorar a mistura do azul e rosa dos azulejos com o verde do vaso sanitário. Pelo menos o chuveiro não é amarelo.
Abro o registro. Meu primeiro banho, no meu banheiro!
Bom... Não sei se posso chamar de banho. Um jato de água saiu para cada lado e eu fiquei parada do meio, com meu rosto quase seco. Foi difícil tirar o shampoo, tive que fazer uma ginástica aeróbica para catar os jatos de água.
Tá bom... Mais um gasto. Anoto no meu bloquinho que já tem uns dez itens: consertar o chuveiro.
Pego um muda de roupas na minha mochila. Olho para o vestidinho branco amarrotado e faço uma careta. Mas não posso escolher outra peça, pois a mudança só chegará amanhã. Assim como o ferro de passar roupas.
Minha barriga ronca, mas eu só tenho uma meia garrafa de água mineral. Quente. E um resto de sanduíche de mortadela. Não tenho forças para me movimentar e ir até o mercadinho da esquina. Como o que tenho, e acabo adormecendo no colchonete emprestado. É daqueles fininhos azuis de ginástica, mas foi o que eu consegui trazer no ônibus antes da mudança.
Desperto com um som insistente. Primeiro a música vai invadindo os meus pensamentos ainda inconscientes. A minha memória alerta que o som é conhecido. Penso imediatamente em Jack Sparrow. Meu pirata preferido.
Enquanto sonho com um beijo de Jack Sparrow, o som continua. E eu acordo. Meu celular! O toque do meu celular é uma da trilha do filme piratas do caribe. Sabe, sou meio viciada. Meio fissurada no Jack Sparow. Talvez pelo meu nome ser Jaque também.
Meus braços tateiam ao redor do colchão. Não preciso de mexer muito, pois meu telefone está logo ali. Eu sempre durmo com ele do lado, porque ele é também o meu despertador. O meu despertador que está programado para me acordar em UMA hora. Puxa, é muito cedo!
- Jaque?
- Hmmm...? – eu bocejo. Meu cérebro sempre acorda depois do meu corpo.
- Desculpa, querida. Eu te acordei? É que o caminhão de mudanças acabou de me ligar... – ele fala numa vozinha constrangida, sabe o quanto eu devo estar exausta. – Eles querem saber se podem ir mais cedo.
- Ah... – eu pisco, tentando acordar – Podem sim, já está tudo pronto.
- Tá. Vou ligar para eles.
Ele sabe que eu provavelmente estou com pouco crédito para ligar. Sim, meu celular é de cartão. Assim que eu receber meu primeiro salário, vou providenciar um de linha. Também não vou gastar muito, porque não tenho ninguém para ligar.
O Leo não desliga. Sinto que ele quer dizer mais alguma coisa, e tento pensar em alguma coisa para falar. Ele parece triste.
- Você está bem, Jaque?
- Sim. Eu estou. É meu primeiro apartamento, Leo. Estou feliz.
- Mas... – ele se cala. Parece pensar. – Você não se sente... sozinha?
Olho para as paredes nuas. Eu estou sozinha. Mas já estou tão acostumada com a solidão, que não ligo muito.
- Sinto falta do meu computador. – eu digo automaticamente.
Meu computador me conecta a um mundo virtual incrível. Era o que me mantinha unida com o mundo quando eu não podia sair de casa.
- Sim. – ele diz. Parece que quer falar mais alguma coisa, mas não faz.
- E você está bem, Leo?
- Não.
Eu logo imagino o motivo e agora me sinto mal.
- Sinto a tua falta, Jaque. – há um silêncio meio constrangedor. Não sei o que dizer. Não sei como dizer de novo para o meu namorado de 5 anos que eu já não o amo mais. Ele sabe. Mas mesmo assim, eu não gosto de repetir.
- Hmmm. Como está o trabalho?
- Tudo igual. – ele responde, sem ânimo. Logo o imagino passando os dedos em seus cabelos castanhos. Seus olhos verdes antes risonhos, agora tristes. E por minha causa. Isso me deixa meio mal.
Eu gosto do Leo. Ele é meu melhor amigo e eu sinto atração por ele. Mesmo nos últimos dias, eu ainda gostava de transar com ele. Era gostoso. Só que entenda... Eu gosto dele como um amigo que eu fazia sexo. Ele é bonito e agradável. Eu só não amo mais ele.
Bom, agora não me lembro se eu já o amei um dia. Talvez no início de relacionamento. Ou talvez fosse só empolgação: porque ele era realmente lindo e estava olhando para mim! E estava interessado em mim, na Jaqueline pernas-finas!
Saí com umas amigas (naquela época eu ainda tinhas amigas e vida social) e foi então que o conheci. Fomos a um barzinho e a Magali me apresentou para alguns os amigos da faculdade. Eles faziam administração de empresas. O Leo era o mais gato. Gato mesmo. Daquele tipo que a gente nem perde muito tempo olhando, porque acha que não terá chances.
Fiquei bebendo cerveja e batendo um papo com um carinha mais feioso. Não que eu estivesse interessada nele, mas para mim é sempre mais fácil conversar com os caras mais feios. Homens bonitos como o Leo me deixam nervosa.
Eu falava alguma coisa, e dava um gole de cerveja. Cada vez que eu baixava a cabeça para o copo, eu virava para o lado e via Leo. E ele me olhava. Céus! Nas primeiras vezes eu juro que fiquei vermelha, e não ouvi o que meu novo amigo tagarela dizia.
Ele realmente me olhava, fixamente até. Mas por quê? Será que eu estava com o rosto sujo? Havia algo nos meus dentes? O que um homem como aquele pretendia olhando daquele jeito para mim? Será que ele pretendia ter uma noite de sexo caliente com uma mulher qualquer e achava que a Jaqueline só por ter as pernas finas e não ter sorte com os homens era uma presa fácil?
Quando eu vi, ele estava sentado do meu lado. Começamos a conversar. Nunca tinha conseguido conversar antes com um homem tão bonito, mas estranhamente com ele eu consegui. Ficamos no bar até que ele fechasse e não restasse mais ninguém. Só nós dois.
Ele me levou para casa a pé. Eu morava perto. E depois pediu meu telefone. Não me beijou na primeira vez, só na segunda. Confesso que quase morri. Ele era muito lindo e eu fiquei deslumbrada com o beijo. Quando finalmente transamos... Nossa! Ele era todo lindo e perfeito! Todo lindo mesmo! Só que eu tive que pedir para apagarmos as luzes, ele era perfeito demais para aceitar meu corpo defeituoso.
Com o tempo, eu relaxei. Ele fazia com que eu me sentisse bonita. Hoje continuo com as pernas finas e com os peitos grandes e não imposto mais de ficar desfilando nua na frente dele. Ele diz que gosta. Mas... Sei lá, deve ser porque ele me ama.
Depois que a minha mãe morreu, eu me senti tão vazia... Um dia parei e fiquei olhando o Leo dormir e percebi. Ele era o meu melhor amigo. O cara que esteve do meu lado e não me abandonou durante a doença da minha mãe. Que compreendeu que eu nunca podia sair de casa, que eu tinha que ficar com ela. Que me ajudava nas vezes em que minha mãe vomitada. Nossa... até me sinto mal agora, o Leo é tão querido, tão bonzinho... Mas naquela noite eu percebi que eu não o amava.
Por que eu não o amava? Me diz? Ele é lindo, querido e bonzinho, mas eu não me sentia feliz. Ele vivia me mimando e fazendo as minhas vontades, mas era tudo tão fácil, tão sem emoção... Sei lá. A gente não manda no nosso coração e o nosso coração é tão idiota às vezes. Mesmo assim, eu ficaria com o Leo. Ficaria sim. Eu não planejava ir embora e partir seu coração, mas depois que eu tive aquela conversa definitiva com a minha mãe antes dela morrer, tudo mudou.
E agora estou aqui. Acordando com dor nas costas por causa do colchonete azul fininho. Com o Leo do outro lado da linha dizendo que sente a minha falta.
- Segunda-feira eu começo no meu trabalho novo – eu digo, para retomar a conversa, já que o silêncio constrangedor continuava.
- Eu sei. – ele podia ser o tipo de idiota que encerraria a frase com apenas eu sei, porque ele realmente sabia, mas ele não faz isso e continua. – E você está nervosa?
- Oh, sim! Estou sim. Mas estou pensando não pensar nisso.
Ele ri.
- E como está tudo ai?
Eu conto sobre o meu chuveiro, que tem um jato de água para cada lado. Conto sobre o vizinho do lado que ficou ouvindo música clássica alta até as 21 horas e sobre a vizinha da frente que tem trigêmios de dois anos.
- Será que ela fez algum tratamento de fertilidade ou foi natural? – eu pergunto, apesar de achar que um morador daquele prédio não teria condições de pagar um tratamento desses.
- Eles são gêmeos idênticos?
- Não sei. Para mim eles têm todos cara de bebês. – eu não entendo muito de crianças.
O Leo acha graça.
- Teu pai vai estar viajando nessa semana, sabia? – ele pergunta com uma voz preocupada. Ele é o único que sabe sobre esse assunto.
- Sim. Eu vi a foto dele no jornal. Ele é bonito, Leo.
- Mas não tanto quanto você.
- Nem como você. – eu respondo com naturalidade, mas não para ser simpática, mas por ser a mais absoluta verdade.
Ele dá risada e eu mesmo do outro lado da linha consigo imaginar a melancolia de seus olhos.
- Vou ligar para a companhia de mudanças, e você pode voltar a dormir, meu a... – ele se corrige a tempo – Jaque.
Depois que eu desligo, eu quase choro. Quase. Porque o sono chega antes e me derruba sobre o colchão fininho.
***
Capítulo 2
**
O despertador toca as seis da manhã. Abro as janelas e ainda está escuro.
- Auunnnnw – eu resmungo e bocejo.
Olho para cama e fico tentada e me deitar por mais alguns minutos. Resisto. É meu primeiro dia de trabalho e eu tenho que estar no mínimo apresentável.
Tiro a camisola velha e me arrasto até o chuveiro que agora tem uma cortina de plástico que vai até quase o teto para não encharcar o chão com os jatos de água desalinhados. Depois do dobro do tempo usual, eu me sinto limpa. Eu realmente preciso trocar o chuveiro, mas não posso mais gastar nenhum centavo.
Paro diante do espelho com uma dúvida: devo alisar os cabelos? Eu fico mais bonita com os cabelos lisos, isso é fato, mas eu preciso ficar mais bonita?
Faço uma careta para o meu reflexo e opto por ficar com os cabelos cacheados. É melhor parecer competente do que bonita. Ou não? Ai! Sinto vontade de gritar! O que será que eles esperam de mim?!
Acabo de me vestir com uma roupa mais comportada e coloco meu salto de 5 centímetros. Não muito alto, mas o suficiente para causar boa impressão. E não muito cansativo se eu necessitar passar horas e horas em pé.
Saio de casa tarde. Meu cabelo é volumoso e demora um tempão para secar e não dá para chegar no primeiro dia de cabelos molhados. Devo me lembrar: nunca mais lavar a cabeça quando acordar, a menos que lá no escritório seja moda ir trabalhar de cabelos molhados.
Droga! Quando chego na parada o ônibus acabou de passar. Droga, droga, droga! Olho para o relógio e são 7:29. Por que o ônibus das 7:30 não pode ser pontual e chegar exatamente as 7:30?! Pergunto para a minha companheira de parada quando passará o próximo ônibus e ela diz que em vinte minutos.
Vinte minutos?! Fala sério: eu não tenho vinte minutos! A Estela me disse que eu preciso estar no escritório antes das 8 hoje! É meu primeiro dia! Oh, meu Deus! Não posso chegar atrasada no meu primeiro dia! Ainda nem conheci o meu chefe, e se ele for do tipo carrasco e nada compreensível?
Tudo bem, são só 10 quadras, eu posso ir a pé. Se eu caminhar rápido, consigo talvez chegar em quinze minutos.
O prédio do escritório de arquitetura é deslumbrante. Ele tem três andares e é todo envidraçado. São dois prédios meio que gêmeos unidos por corredores que se enxergam do lado de fora. Lá atrás dos corredores, há um muro coberto de verde. Dá uma impressão boa. Não a do tipo que estamos no meio de uma selva, mas a do tipo que estamos dentro de um jardim bem cuidado de um rico proprietário. É um prédio branco e vistoso. Do estilo que só poderia ser desenhado por um brilhante arquiteto.
Falando nisso, são três sócios e vários arquitetos contratados e estagiários e o meu chefe direto trabalha na área de construção civil. Eu gosto mais da parte de decoração de interiores, mas foi essa a vaga que surgiu e eu não podia me dar ao luxo de escolher. Mas não se empolgue muito com o meu trabalho, eu sou apenas a secretária.
Quando eu estou a uma quadra de distância me escoro num muro e abro minha grande bolsa caramelo. Cato no meu mini arsenal um espelho e uma escova de cabelos. Oh não, eu estou toda suada! Maldito ônibus! Resmungo e esbravejo baixinho. Tento me recompor como posso, mas meu rosto continua brilhante na testa. Talvez eu consiga entrar de fininho e ir direto ao banheiro.
- Jaqueline! – a Estela me vê tão logo eu coloco o primeiro pé no corredor. Ela é a responsável pelo setor de recursos humanos e foi ela quem me entrevistou. – Menina, venha logo! Você precisa se trocar!
- Me trocar?
Sério, como assim me trocar? O que há de errado com a minha roupa? Eu levei horas para escolhê-la!
- Sim, aqui as secretárias usam uniformes, não te falei?
- Que eu me lembre não... – eu respondo bem baixinho. Fico nervosa, será que ela falou e eu esqueci? Que lapso!
- Ah! – ela sorri para mim - Não repare, mas era tanta coisa que eu tinha para te passar, que eu devo ter esquecido.
Relaxo um pouco e a sigo pelo longo corredor.
- Aqui é a sala onde você trabalhará. – ela aponta para uma porta de cerejeira fechada, com uma placa preto e branca que diz: Cristian Benites, arquiteto e urbanista.
Sigo-a de boca fechada e arregalo os olho ao ver meu novo uniforme.
- São três para cada secretária e você é responsável pela higiene das peças.
E ela me entrega três calcas pretas e três blusas brancas. Meu queixo cai quase na altura do chão. Meus olhos quase se enchem de lágrimas. Não posso usar isso, não posso! Mas eu barro as lágrimas no meio do caminho. Estela me aponta um banheiro para que eu me vista e fica a minha espera.
Ai, meu Deus! Eu sempre fugi de calças pretas! Calças pretas sempre me emagreceram e ressaltaram as minhas pernas finas! É sério! Até os 14 anos minhas pernas eram tão finas que eu às vezes colocava duas calças, uma em cima da outra, para engrossá-las. Mas daí lançaram a moda das calças largas. Ainda bem, porque no verão eu quase me desidratava de tanto que eu suava.
Coloco o uniforme e aproveito para dar uma ajeitadinha no meu aspecto. Lavo o rosto, reaplico a maquiagem leve e saio da sala, esperando que a Estela não repare. Atualmente minhas pernas já não são tão finas e há algo muito pior do que as calças pretas.
- Uau! – a Estela exclama, me olhando de cima a baixo. – Como você é peituda!
Eu fecho os olhos. Ela reparou. Ela viu! Droga. E ela fica me observando meio que admirada. Sim, meus peitos são redondos e firmes, e a blusa branca e justa os deixa salientes.
- Eu fiz plástica de redução aos 21 anos...
Hoje isso até parece piada. Plástica de redução com os peitos desse tamanho? Fala sério! Mas é por isso eles são tão firmes.
- É? – ela continua a me observar, agora meio que incrédula.
- É... eu engordei depois da cirurgia – eu logo me justifico. O olhar dela meio que pergunta: mas qual era o tamanho do teu peito antes, 52? Se é que existe 52. - e meus quilos se acumularam aqui – aponto para os seios. – De novo.
Ela olha para as minhas pernas afinadas pelas calças pretas.
- Puxa! – ela para e pensa - Mas você não é gorda.
- Não. Eu emagreci novamente, mas os quilos que eu ganhei aqui em cima ficaram.
- Ah, entendo. É como eu nas coxas. – ela acha graça. – Mas acho que... Fique aqui, vou ver se eu acho um número maior de blusa para você.
Sim, eu estou indecente. Sério! Pareço uma vaca leiteira! Que situação constrangedora! E é meu primeiro dia...
Alguns minutos depois, ela volta, me olhando de cima a baixo e sorrindo. Sua expressão diz algo do tipo: queria ter peitos como os teus. Mas acredite: você não queria, eu respondo mentalmente. É chato! Peitos pesam! E é horrível comprar biquínis e sutians. Uma tortura que ainda é agravada pelo fato de eu usar manequin 36 e sutians 46. Conjuntinhos combinando? Nem pensar. Eu me contento quando acho um que me sirva e que fique bonito sem que eu pareça uma vovó.
- Consegui essa. Não tinha menor. – ela faz uma careta e se desculpa. Eu pego a roupa sem prestar muita atenção e quando vou prová-la percebo o que ela quis dizer.
Meu Deus! A blusa é gigante! Agora sim fiquei ridícula! Enorme em cima e com as perninhas finas.
- É... Acho melhor você trabalhar sem o uniforme hoje. – ela fala e eu consigo respirar de novo. – Fica com a blusa que você veio, mas com a calça preta. Acho que vou providenciar uma blusa verde para você, e não branca. Algumas secretárias usam verde e a branca te deixou peituda. Não que isso seja ruim, provavelmente o Cristian iria gostar e os outros homens também – ela ri - mas se a Patrícia te visse, ela não iria gostar. Mas cá entre nós: ela é uma chata e morre de ciúmes do Cristian. Daí ela pegaria no teu pé.
- Patrícia?
- É, a noiva do Cristian. Ela não trabalha e não faz nada da vida, e vive vindo aqui para encher o saco de todo mundo.
- Ah.
Que maravilha! O meu chefe tem uma noiva pé no saco, então ele deve ser pé no saco também. Ora, mas que ótimo!
- Agora vai. Ele pediu para você ir para a sala dele imediatamente, ele quer te conhecer.
- Eu bato na porta ou apenas entro?
Diante da minha indecisão Estela abre a porta e me mostra uma ante-sala.
- Essa é a tua sala, aqui todos entram sem bater. Aquela outra porta – ela aponta para os fundos – é que é a sala dele. Nessa, você tem que bater sim e anunciar todo mundo que deve entrar. Bem assim. – ela pega um telefone e disca um ramal – Sr. Benites, a Jaqueline está aqui, posso deixá-la entrar? – ela ouve a resposta e coloca o telefone no gancho. Então me mostra algumas coisas que eu tenho que fazer e só depois diz – Você pode entrar. Boa sorte.
E ela sai da sala.
É o meu primeiro dia. E eu vou conhecer o meu chefe! Estou nervosa, respiro fundo e abro a porta. E então estanco. Nada, nem nenhuma preparação mental do mundo, me prepararia para isso.
Oh, meu Deus! Ele está me olhando. O clone do Jonnhy Deep está me olhando e eu não consigo andar!
Não, não, não! Devo estar ficando louca! Isso é um absurdo! Isso não pode estar acontecendo comigo! Como vou poder trabalhar e me concentrar quando sei que o sósia do Jonnhy Deep, o meu maior ídolo, estará do outro lado da porta?
Ele me encara com uma caranca feia. Talvez por eu estar ainda parada na porta congelada. E acho que ele falou algo. Ele parece estar esperando uma resposta minha.
- Aszisshiiming – eu respondo.
A expressão dele do tipo: anda, eu não tenho todo tempo do mundo parece mudar. Creio ter visto um sorrisinho na boca dele. Isso! Ri para mim! Quero ver se você tem algum dente de ouro como o meu pirata Jack Sparrow! Mas ele não sorri, ao invés disso fica sério e me aponta uma cadeira para que eu sente na sua frente.
Eu obedeço, já paguei mico demais.
Ele baixa o rosto, e folheia um papel que eu reconheceria como sendo o meu currículo se eu conseguisse desviar os olhos do rosto dele. Será que ele é irmão gêmeo do JD? Só posso estar doente ou muito fascinada pelo JD para estar vendo-o no rosto dos outros. Eu me esforço para pensar: ele não é parecido com o Jonnhy Deep, ele não é parecido com o Jonnhy Deep... Você está inventando isso, Jaqueline... Você precisa de terapia.
- Então você estudou dois anos de arquitetura.
Faço que sim com a cabeça, sem piscar. Tenho que responder, senão ele vai pensar que eu sou uma retardada mental e me despedirá logo no primeiro dia.
- E por que trancou a faculdade?
Ele me olha e espera pela resposta. Dessa vez, não posso balançar a cabeça, tenho que achar a minha voz.
Devo estar hipnotizada, totalmente hipnotizada, pois não dei a minha resposta vaga usual: problemas de família. Geralmente quando eu digo isso as pessoas se calam porque entendem que eu não quero falar sobre o assunto. Mas ao invés disso, eu despejo, sem parar para tomar fôlego:
- Minha mãe ficou doente e teve que parar de trabalhar. E então eu tive que trancar a faculdade e trabalhar para ajudar nas despesas. Achei que ela ia melhorar e eu ia poder voltar para a faculdade logo depois, mas ela não melhorou. Na verdade, ela ficou cada vez pior. Quero dizer, ela até melhorou em algumas épocas, mas sempre tinha recaídas. A quimioterapia não foi muito eficaz e ela passava muito mal depois das sessões. Ela tinha leucemia. E no último ano eu tive que largar também o trabalho para ficar com ela. Nós sempre fomos muito ligadas, sabe? Eu não conheci meu pai e sempre fomos só nós duas. Na verdade, eu descobri a pouco tempo que eu não fui abandonada pelo meu pai como eu sempre achei que fosse. Que na verdade meu pai nunca soube da minha existência, porque minha mãe fugiu dele e nunca contou. E nós tínhamos um bom dinheiro guardado, eu e a minha mãe, mas ele foi quase tudo gasto para o tratamento dela. Com o que sobrou, eu me mudei, vim para cá e comprei o meu apartamento depois que ela morreu.
Oh, meu Deus! Eu contei toda a minha vida para esse cara só porque ele é a cara do JD! E se ele for um clone do mal?
Ele fez que sim com a cabeça. Tão lindo o meu chefe! Eu não consegui parar, tinha que continuar.
- Eu sempre gostei da área de arquitetura. Mas como não pude voltar para a faculdade, procurei um emprego na área. Se eu não posso ser arquiteta, posso trabalhar com um arquiteto. Eu realmente gosto.
- Você foi muito bem recomendada pelo teu antigo chefe.
- Ah sim. Ele foi muito legal comigo. Eu tive que me afastar, como já contei para o senhor...
Ele me interrompeu.
- O senhor está no céu.
- Ah tá. – sorri meio sem graça. Minhas bochechas devem estar vermelhas. Será que ele estranharia se eu pedisse para tirar uma fotografia dele? Daí eu mandaria ampliá-la para compará-lo com os dois pôsteres do Jack Sparrow que estão na parede do meu quarto. Ao invés de fazer esse pedido absurdo, eu continuo a falar – Mas daí, eu nunca pude voltar. E quando eu contei para ele que a minha mãe tinha falecido e que eu ia me mudar para Florianópolis, ele foi bem legal e me deu uma carta de recomendação.
- Ah, sim. – ele baixa o rosto e corre as duas folhas do meu currículo. E então, como se não tivesse mais dúvidas, ele me explica rapidamente as minhas funções e depois parece reparar – Por que você não está de uniforme?
Agora sim! Minhas bochechas estão rubras! Tenho certeza pois sinto meu rosto pegando fogo! Não posso simplesmente dizer a ele que a blusa não coube por causa dos meus peitos!
- Eu. Estou. Usando. As. Calças. – gaguejo. – A. Blusa. Não. Serviu.
- Ficou muito grande?
Ufa! Que alívio! Ele me achou pequena. Relaxo um pouco.
- A segunda que eu provei ficou.
Ele fala mais alguma coisa e eu saio da sala. Ele deve estar me achando esquisita e meio bicho do mato demais para uma secretária. Eu devo ser simpática e interagir bem com as pessoas, e ele no momento não deve me achar capaz disso.

Depois do meu terceiro dia fazendo tudo certinho, eu meio que já me acostumei com o fato de ter um chefe gato. Quase não babo mais quando ele passa. E descobri conversando com as minhas novas amigas (outras secretárias, porque as arquitetas não fazem amizade com a gente) que elas também acham ele parecido com o JD e que inclusive o apelido interno dele é Jack, por causa do meu pirata preferido. Mas é claro que isso fica só entre nós e que ele não faz a menor idéia.
Então, depois do meu terceiro dia ele me surpreende quando me mostra um projeto dele. Coloca sobre a minha mesa e diz:
- Trouxe para que você dê uma olhada. Sei que você gosta disso. – ele passa rápido e pisca para mim.
Oh, meu Deus! Quase desmaio! O Jack piscou para mim!
Claro eu não é sempre assim. Meu chefe as vezes é meio temperamental e em algumas ocasiões não é muito gentil. Tudo bem, eu relevo. Jack Sparrow também não era gentil o tempo todo em piratas do caribe.

Protesto!

Crônica que eu fiz para a mim aula de amanhã da oficina literária. Minha última aula. O tema era, escreva sobre um desses objetos: lampada, lista telefônica, corretor ortográfico e não me lembro qual era o quarto objeto.

Besteira, besteira e mais besteira! Mas pelo menos eu me diverti.

Falando nisso, comecei uma história nova hoje, e dei boas risadas com o segundo capítulo. Adoro! Eu me divirto mesmo escrevendo, só não sei o que fazer com as histórias depois. Já provei vários genêros, mas acho que o que mais me agrada é a comédia.


Protesto!

Algumas coisas simplesmente saem de moda, outras apenas se tornam menos usadas, mas nunca sumirão. Como o papel.

As pessoas quase não escrevem mais em papeis, mas eles estão sempre aí: vendidos aos montes nas livrarias. Mas o que seriam das pobres árvores se os escritores, por exemplo, ainda digitalizassem nas antigas máquinas de escrever, com aquelas bolinhas de papel amassadas e desperdiçadas lotando as lixeiras? Eu pelo menos escrevo no computador e economizo a natureza.

E o papel continua por ai. Há pessoas que juram que nada substitui um bom livro de papel. O prazer de folhear as páginas. O cheirinho de livro. Se bem que para mim, não sei se é o meu nariz que tem algum defeito, os livros só cheiram quando estão velhos. Ou sujos. E eu gosto de ler no computador. Para mim tanto faz ler um livro real ou um livro virtual.

E tem a lista telefônica de papel. Voltei ontem da praia e tinha uma na minha caixa de correio. Que inútil! Para que matar as pobres das árvores fazendo listas telefônicas para pessoas como eu que acham muito mais fácil simplesmente abrir o computador e procurar um endereço numa lista telefônica virtual? É muito mais prático: é só digitar e está feito. Bum! O mapa e o endereço surgem como num passe de mágica!

Não preciso perder tempo folhando as páginas! Não preciso sair procurando pela casa o localizador obsoleto de endereços que nunca está aonde a gente deixou!

Será que eu posso fazer uma corrente virtual do tipo: “não queremos mais listas telefônicas de papel”. Ou: “economizem as árvores e parem de nos mandar as listas” Posso encaminhar algo assim para todos os meus amigos?

Sim, sei que posso, mas não farei isso. Primeiro porque odeio essas correntes idiotas que me mandam toda hora por e-mail. Nunca respondo nenhuma. Depois porque corro o risco de receber a resposta de algum amigo lunático, dizendo: “eu tenho o prazer de folhear uma lista telefônica. Adoro o cheirinho das listas.” Ai, meu Deus! Eu não duvido de nada!

Argh! Fala sério! Não quero nem pensar nisso! Listas telefônicas não são livros! Se bem que eu consigo imaginar bem algumas pessoas que nunca lêem nada, colecionando listas telefônicas, e as colocando na estante, como se elas fossem uma grande obra literária. Há louco para tudo nesse mundo.

Danielle Stell - Segredo de Uma Promessa


Download: http://www.4shared.com/file/42840609/26ad7d1d/Danielle_Steel_-_Segredo_de_Um.html?s=1

Ahhhhhhhhhhhhhhhh! É uma história tão linda que até virou filme, e eu quero ver esse filme!

http://www.adorocinema.com/filmes/segredo-de-uma-promessa/
Sinopse:
Esta é a história de um grande amor que une dois jovens, Michael Hillyard, o único herdeiro de uma das maiores firmas de arquitectura dos Estados Unidos, e Nancy McAllister, filha de uma família pobre e que foi criada num orfanato. Perdidamente apaixonados o seu maior desejo é casarem um com o outro. No entanto, a mãe de Michael, mulher determinada que dirige com mão de ferro o império deixado pelo falecido marido, opõe-se terminantemente a essa união por considerar que o filho deve casar com uma jovem do seu nível. Determinado a lutar pelo seu amor e desafiando a vontade de sua mãe, Michael marca o casamento. Mas na noite da cerimónia, em vez de conseguirem vencer todos os obstáculos e concretizarem o seu sonho, algo inesperado acontece. Separados seguiram rumos bem distintos, em mundos bem diferentes e tornaram-se outras pessoas, mas o passado continua, apesar de tudo, bem presente.
***
Livro mais do que recomendado. É lindo, emocionante e intenso! Amei! Mas para as choronas de plantão, preparem o lencinho, pq tem partes muito tristes.
Agora, quero ver se acho o filme, pq se for bom como o livro...
Dou 4 estrelinhas para ele, e não 5, só porque acho algumas coisas meio irreais e forçadas demais, tal como ganhar um rosto novo. Nunca ouvi falar sobre isso. E mudar de voz. Mas tirando isso, é uma história maravilhosa!!!

domingo, 3 de janeiro de 2010

Retrospectiva 2009



Após uma virada de ano digna a ser apagada de 2008 para 2009, confesso que decidi não manter muitas expectativas em relação ao ano que viria, 2009, no caso. Talvez por isso hoje eu tenha tanto a agradecer. Ao abrir minha agenda na página de 1º de janeiro de 2009 me deparei com as minhas quatro resoluções de ano novo, e sorri ao perceber que alcancei todas elas! Tá, pra ser sincera todas entre aspas, já que uma delas é irrisória e completamente fútil.

Consegui emagrecer e emplacar uma atividade física! [embora eu tenha parado por causa da cirurgia, mas volto amanhã!
Consegui anotar o nome de todos os livros que eu li! [60 no total!!!]
Consegui não passar a virada do ano sozinha! \o/

Portanto, sinto que estou começando 2010 com o pé direito!

Como de praxe fui dar uma folheada na agenda, e me deparei com várias coisas legais [e não muito legais também] que me aconteceram nesse ano que passou:

Fui aos shows da Alanis Morrissete e do Leoni, tomei meu primeiro porre de cerveja quando soube que ia ganhar mais um irmão, sofri duas vezes dores terríveis devido a malditos cálculos renais, me senti muito p da vida e inútil quando bateram no meu carro, mesmo trabalhando comecei um estágio obrigatório numa outra empresa, logo depois comecei a estagiar num posto de saúde de uma cidade aqui perto, gastei o dinheiro que eu tinha e que não tinha com filmes na Americanas, comprei meu tapete de dança pra brincar no PS2, completei cinco anos habilitada e motorizada, meu irmão fez uma pequena cirurgia, comecei um estágio em uma creche e em um hospital, comprei uma guitarra pra jogar Guitar Hero com meu irmão, comecei a fazer análise, meu afilhado fez dois anos, nasceu mais um irmão, saí do emprego, consegui terminar todos os meus estágios, descobri dois nódulos nos seios, concluí todos os estágios e comecei o estágio em Psicologia Clínica, tirei as fotos da placa e do convite da formatura, batizei o meu segundo irmão e me apaixonei por ele apesar de tudo, fiz a cirurgia de redução de mamas, completei 24 anos, terminei minha monografia e meu relatório de estágio, e estou prestes a me formar!

Tem como não ser feliz com tantas vitórias?



Que venha 2010!!

Errata de pé de página



Adoro esse texto da Lya Luft, li pela primeira vez em 2008, e o levei comigo na agenda durante todo o ano de 2009, e agora vim postar um trecho pra vocês. Talvez, assim como eu, vocês passem a levá-lo consigo a partir de agora.

Beijocas!

Errata de pé de página

"Por todas as vezes em que desviamos o olhar lúcido ou recolhemos o dedo denunciador,
pagaremos um alto preço, durante um tempo incalculavelmente longo. E não haverá erratas"

A vida deveria nos oferecer um lugarzinho no rodapé da nossa história pessoal para eventuais erratas, como em tese de doutorado (as que não são plágio). Pelas vezes em que na infância e adolescência a gente foi bobo, foi ingênuo, foi indesculpavelmente romântico, cego e teimoso, devia haver uma errata possível. Como quando a gente acreditou que se fosse bonzinho ganharia aquela bicicleta; que todos os professores eram sábios e justos e todas as autoridades decentes; e quando a gente acreditou que pai e mãe eram imortais ou perfeitos. E que aquele namorado não estava saindo com a outra menina, e a melhor amiga não contaria nossos segredos.

Devia haver erratas que anulassem bobagens adultas: botei fora aquela oportunidade, não cuidei da minha grana, fui onipotente, perdi quem era tão precioso para mim, escolhi a gostosona em lugar da parceira alegre e terna; fiquei com aquele cara porque com ele seria mais divertido, mas no fundo eu não o queria como meu amigo e pai de meus filhos. Ofendi aquela pessoa que me faria bem e corri atrás de quem logo adiante ia me passar uma rasteira. Profissionalmente não me preparei, não me preveni, não refleti, não entendi nada, tomei as piores decisões. Ah, que bom seria se essas trapalhadas pudessem ser anuladas com uma boa errata. Em geral, não podem.

Ano Novo!




Fim de ano! Confesso que não sou muito fã do Natal, sempre fico muito deprê, não sei explicar exatamente o porque, só sinto uma tristeza profunda, e isso desde criança. Em compensação adoro o réveillon. Pode parecer bobo e sem sentido pra alguns, mas pra mim a virada do ano é um marco, um momento para parar, pensar, agradecer, comemorar e planejar o ano seguinte.

Fui acostumada a comemorar bem a virada do ano, mas por uma série de impedimentos meu último réveillon inesquecível aconteceu há quatro anos, quando 2006 deu lugar a 2007, entre algumas amigas, e principalmente ao lado da minha melhor amiga. Bebi, dancei, sorri, paguei mico, provoquei, “me senti”, enfim, foi um réveillon inesquecível. Já de 2007 pra 2008, que tinha tudo para ser muito bom não foi. Por muito tempo culpei uma única pessoa por isso, hoje eu percebo que eu poderia ter feito mais, não no sentido de mudar a situação, mas de ter aproveitado o que eu tinha. A virada de 2008 pra 2009 passei de porre, dentro de um carro, procurando alguma festa legal numa cidade vizinha, mas cheguei lá tãaaao ruim que queria ficar dormindo dentro do automóvel. Dizem que se passamos a virada fazendo alguma coisa significa que repetiremos bastante aquilo durante o ano. No dia seguinte eu pensei que passaria o ano viajando; ILUSÃO.

Esse réveillon tinha tudo pra ser ruim. Minha mãe estava em Recife, [onde eu também queria estar], meu pai ia passar com a atual família, com a qual não me sinto a pessoa mais feliz do mundo, meu namorado estava na casa dos pais, a uns 300 quilômetros de distância, e TODOS os meus amigos estavam viajando, com exceção de duas que não podia sair porque tinha plantão no dia seguinte e outra que ia passar com o noivo [nada a ver segurar vela em pleno “revis”, né?]. Pra completar eu passei o mês de dezembro completamente envolta e desesperada com a minha monografia, e havia jurado sair de casa apenas quando terminasse.

Pois bem, terminei os meus últimos afazeres acadêmicos praticamente no dia 30 de dezembro, e fiquei muito perdida. E agora? Onde e com quem eu ia passar a virada de ano?

Fui e voltei inúmeras vezes. Rodei a minha agenda telefônica de cima a baixo. Chorei. Briguei. Me desesperei. E no último momento me decidi. Eu podia não sair de casa, podia não ver ninguém, podia continuar sozinha, mas eu ia comemorar, afinal apenas o fato de estar viva já merecia uma festa!

Tomei um banho bem gostoso, arrumei os meus cabelos como se eu fosse pra um lugar bem chique, vesti uma blusa que eu havia comprado na manhã do dia 31, quando fui ao shopping comprar um chinelo já que o meu havia morrido. Não era uma blusa branca, ou vermelha, ou amarela. Não pedia paz, ou amor ou dinheiro. Era uma simples regata azul com bolinhas pretas e uma estampa do Snoopy bem grande na frente. Simples, básica e linda. A minha cara. Me maquiei, me perfumei, coloquei um jeans que eu gosto e uma sandalinha delicada de saltinho. Tudo isso ouvindo o show da virada da Globo, uma das coisas que acho mais deprimente na vida. Mas eu estava tão bem comigo mesma, apesar de tudo, que mesmo sem saber o que eu ia fazer eu estava disposta a tentar.

Começou a chover. Ótimo. Sentei na cama e fiquei olhando pra TV. Será mesmo que eu devo sair? Não. Nada ia me impedir. Peguei a chave do carro e saí sem olhar pra trás, quase correndo com medo de algum bandido estar escondido no prédio, que estava praticamente vazio. Dirigi até a casa dos meus avós, decidida a virar o ano com eles e com o meu irmão que estava lá, antes de procurar algum lugar na rua.

Mas quando cheguei lá, me senti tão bem, tão aconchegada, que não quis mais sair. Tomei uns goles de vinho, comi um churrasco que estava sendo preparado, sorri, conversei, posei para fotos, e foi tão tranqüilo e feliz que eu fui pra casa com uma importante lição:

Não é o fato de estar numa festa badalada que vai influenciar o meu Ano Novo. Nem a roupa nova tradicional, ou o fato de estar sozinha ou rodeada de pessoas. E sim como eu encaro essa mudança, e todas as outras que irão acontecer, é como eu me mantenho equilibrada ou não diante de situações aparentemente sem saída.

Tudo que estou escrevendo aqui pode até parecer sem sentido pra quem lê. Ou bobo. Sei lá. Mas pra mim tem todo o sentido do mundo. Afinal, é a minha vida.
Estou bem e feliz. Satisfeita com as dádivas que me foram concedidas e lidando da melhor forma que eu posso com as dificuldades.
Feliz ano Novo pra mim! Feliz ano novo pra vocês! Que 2010 traga ainda mais serenidade pras nossas vidas!


Bem vindo ano novo!


[Na foto: meu irmão gordinho, meu presente de 2009!]